Bloco de Notas da Semana "Atletas podem falar?" — Gama Revista
Atletas podem falar?

5

Bloco de notas

Bloco de notas

Os marcos históricos, os esportistas polêmicos e os atletas mais queridos do mundo — uma seleção Gama sobre esporte

04 de Outubro de 2020
  • Imagem da listagem de bloco de notas
    Mr Olympia / Divulgação

    Desde 1965, o concurso de fisiculturismo MR. OLYMPIA premia corpos esculpidos pela atividade física. Entre os condecorados, ARNOLD SCHWARZENNEGGER, que coleciona polêmicas, filmes e até uma carreira política. O ator e fisiculturista venceu o concurso sete vezes e, mesmo depois da aposentadoria (ele está com 73 anos), permanece proeminente na modalidade.

  • Para além das quadras, o jogador de basquete Kobe Bryant sempre levou jeito para o entretenimento. Ao anunciar sua aposentadoria, aos 37 anos, escreveu a carta de despedida “DEAR BASKETBALL”. O texto serviu de inspiração para um CURTA de mesmo nome sobre a relação que o ídolo tinha com o esporte e como a quadra era o seu lugar no mundo. Ao lado de Glen Keane, animador da Disney, a produção lhes rendeu um OSCAR DE MELHOR CURTA METRAGEM DE ANIMAÇÃO, em 2018.


  • Sempre é tempo de celebrar Muhammad Ali. Um dos maiores boxeadores americanos, sua trajetória extrapola os limites do ringue. Ali usou o esporte como ferramenta para chacoalhar o mundo e lutar contra preconceitos. No vídeo acima, a Vox conta sobre sua história e legado.

  • SERÁ O FIM DOS ESTÚDIOS DE YOGA? Pergunta a matéria do New York Times. Desde março, dezenas fecharam definitivamente em Nova York, de grandes redes corporativas até lojas independentes. É que espaços fechados, suor e aglomeração — comum na prática de algumas modalidades — não combinam com o clima pandêmico. Por outro lado, professores de yoga afirmam: “É um momento muito difícil e as comunidades precisam da prática mais do que nunca”.

  • Imagem da listagem de bloco de notas
    Boston Globe / Getty Images

    Em 1967, Kathrine Switzer fez história. Foi a PRIMEIRA MULHER COM INSCRIÇÃO OFICIAL a correr a Maratona de Boston. Durante a prova, foi perseguida pelo próprio diretor do evento, que tentou tirar o número 261 de suas costas, como a foto icônica acima registrou (ainda bem que não conseguiu). Switzer voltou a disputar a maratona 50 ANOS DEPOIS, em abril de 2017, e sua figura virou símbolo da luta por direitos das mulheres dentro do esporte.

  • “Quem disse que atleta não pode se manifestar politicamente? […] Eu acredito que esporte e política podem e devem andar juntos, simplesmente pelo fato de que é impossível dissociar um do outro.”

    Diz a jogadora de vôlei de praia Carol Solberg em seu perfil do Instagram sobre as críticas que recebeu ao se manifestar politicamente em campeonato da modalidade. A atleta foi denunciada pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) do Voleibol por ter gritado “Fora, Bolsonaro” após conquista da medalha de bronze no Circuito Nacional, no dia 20 de setembro.

  • Fundada em 2014 pelo ex-jogador profissional da Liga Principal de Beisebol Derek Jeter, THE PLAYERS TRIBUNE é uma plataforma de mídia que veicula conversas diárias sobre esporte, além de histórias pessoais contadas pelos próprios atletas. O projeto, que já teve participação de brasileiros, possui uma seção especial voltada para SAÚDE MENTAL NAS LIGAS PROFISSIONAIS e outra chamada SILÊNCIO NÃO É UMA OPÇÃO, para combater o racismo no esporte.

  • Imagem da listagem de bloco de notas
    Motitech / Divulgação

    Para reduzir a imobilidade nos lares de idosos, a competição global ROAD WORLDS FOR SENIORS traz o CICLISMO COMO SOLUÇÃO. Em bicicletas estáticas, os residentes pedalam horas a fio, competem por medalhas e viajam para diversos lugares com a ajuda da tecnologia — tudo sem sair da cadeira. Um dos idosos, ex-piloto de caça, conta que pedala duas horas antes do café da manhã, que adora a natureza competitiva do ciclismo e a disciplina, necessária à modalidade.


  • Megan Rapinoe foi eleita a melhor jogadora do mundo em 2019. A atuação no esporte não restringe seu papel de cidadã, pelo contrário. Já fez uma torcida inteira gritar por PAGAMENTO IGUALITÁRIO NO ESPORTE, já disse que sem gays no time NÃO SE GANHA UMA COMPETIÇÃO e até negou o convite à Casa Branca (ocupada por Donald Trump) depois que a seleção americana levou a taça da Copa do Mundo para casa.

  • Imagem da listagem de bloco de notas
    Julio Aguiar / Getty Images

    DAMIRIS DANTAS é nome de peso do basquete feminino atual. Rainha nos play offs, ela está envolvida na campanha LEVANTE A BOLA DELAS, que luta por pagamento igualitário e pela valorização de atletas brasileiras.