Como são as relações amorosas hoje? — Gama Revista
Como vai o seu amor?
©Pexels

Devagar no amor

O amor vem passando por transformações, desde a forma como as pessoas se conhecem até o ritmo como as relações evoluem. Chegamos à era do slow love

Isabelle Moreira Lima e Laura Capelhuchnik 04 de Abril de 2020

O amor mudou neste começo de século. O jeito como as pessoas se conhecem saltou do plano físico para o digital (Alô Tinder! Alô Instagram!) e as formas de amar estão mais dinâmicas e menos rígidas. Para alguns estão até bagunçadas demais, fluidas de um jeito problemático. Tem gente que não quer se comprometer, e gente que não quer nem pensar em se envolver. Ao mesmo tempo, há um novo fenômeno que parece ir na direção contrária dessa tendência, uma corrente que leva todas as fases do amor de maneira mais lenta, em que as pessoas passam a demorar mais para marcar um encontro formal, para engatar um relacionamento, para morar juntos e, finalmente, para se casar. E isso tem nome, se chama slow love.

Calma lá que isso ainda não é um reflexo da situação de confinamento em que se vive em boa parte do mundo. A ideia é esperta, faz menção ao movimento Slow, que nasceu na Itália nos anos 1980, pregando uma desaceleração total do louco mundo contemporâneo, cheio de fast-food, digitalização e correria, até virar filosofia de vida. Quem cunhou o termo slow love foi a antropóloga norte-americana Helen Fisher, que há mais de 30 anos se dedica a estudar as relações amorosas e é responsável pela Singles in America, uma pesquisa nacional anual sobre o comportamento dos solteiros norte-americanos, que já ouviu 35 mil pessoas com idade entre 18 e mais de 70, entre 2010 e 2017.

Todo mundo quer saber tudo do parceiro antes de assumir um compromisso. E você aprende muito sobre uma pessoa quando está entre os lençóis

Sua interpretação dos números é otimista. Para ela, o slow love mostra que as pessoas estão mais cautelosas e que não há tão pouco sexo assim, como tem sido alardeado sobretudo em relação aos millennials; a diferença é que ele vem antes do primeiro encontro formal, fruto de uma amizade colorida ou de uma ficada espontânea (ela chama isso de “fast sex, slow love”). “Todo mundo quer saber tudo do parceiro antes de assumir um compromisso. E você aprende muito sobre uma pessoa quando está entre os lençóis, não só se eles são bons de cama. Dá para saber se são pacientes, se têm senso de humor”, afirma Fisher.

O otimismo sobre essa nova face do amor está também na ideia de que não se trata de menos libido, mas de cautela, afinal as pessoas estariam mais cuidadosas sobre seus romances. É comum, por exemplo, que perguntem qual a intenção do parceiro quando a coisa ainda está no começo. E isso tem fundamento: segundo a pesquisa, 70% dos solteiros americanos têm verdadeiro pânico de se divorciar. Então se é para casar, que seja uma escolha certeira. “O que acontece hoje é um alongamento do estágio de pré-comprometimento. O casamento antes era o começo da vida a dois. Hoje, é como o fim de uma série de TV”, diz Fisher. Segundo ela, quanto mais tarde as pessoas se casam, menos chance têm de se divorciar.

Mas não é só o medo do fim que desacelerou o romance, os motivos combinam mudanças culturais na sociedade: a mulher mais ativa no mercado de trabalho e reafirmando seus direitos e sua sexualidade; o prolongamento de todas as fases da vida, como os millennials que não saem da casa dos pais até quase os 30 anos (e quem tem ambiente para transar quando os pais estão no cômodo ao lado?); e o foco excessivo dessa geração na carreira (e como gostam de dormir!).

Casar mais tarde, uma tendência global

O slow love não é um fenômeno exclusive dos Estados Unidos. Chegar solteiro aos 30 é uma tendência global até mesmo em países em que há praticamente uma estatística universal de casamento formal. Na Indonésia, por exemplo, país onde apenas 2% das mulheres com mais de 40 anos nunca se casaram, as jovens têm investido na formação profissional e acadêmica antes de se casarem, como mostra a pesquisadora americana a Nancy Smith-Hefner em entrevista ao Quartz.

No Brasil, as pessoas têm se casado menos e mais tarde+. Essa experiência global de postergar o casamento faz parte do que se chama de “waithood” +. O termo se refere ao adiamento da tomada de decisões relacionadas ao que compreendemos por hábitos da vida adulta, como sair de casa, casar ou comprar um apartamento. “Grande parte dos meus pacientes é de adolescentes, e noto uma grande demora no processo de amadurecimento, como se a adolescência tivesse sido estendida. E se levarmos em conta o aumento da expectativa de vida, isso faz com que tudo seja empurrado para mais tarde”, explica a psicanalista Susi Breviglieri, professora do Sedes Sapientiae, em São Paulo.

Existem outros nomes para caracterizar um novo limbo entre a juventude e a vida adulta pelo mundo. “Bamboccioni”, por exemplo, é usado na Itália para descrever pessoas entre os 20 e os 30 anos que ainda moram com os pais. No Japão, “freeters” são os jovens que não se especializaram profissionalmente ou não têm planos de carreira tradicionais.

“Waithood” foi cunhado pela cientista política americana Diane Singerman, em 2007, depois de estudar jovens do Oriente Médio. A expressão, segundo a autora, diz respeito a ambos os gêneros e tem raízes na economia. No Egito, por exemplo, foco de sua pesquisa, o casamento é caro demais para o bolso de um jovem. Ao mesmo tempo, ter filhos fora de uma união formal não é uma alternativa, o que resulta em uma espera maior para avançar nessas etapas.

As altas taxas de desemprego e os salários baixos têm afastado os jovens dos relacionamentos

E mesmo em lugares em que não é necessário se casar para iniciar uma família, as altas taxas de desemprego e os salários baixos têm afastado os jovens dos relacionamentos. Uma pesquisa divulgada em 2019 pelo site de relacionamentos Match.com mostra que 29,4% dos millennials (nascidos entre 1981 e 1996) dos Estados Unidos não se sentem prontos para buscar uma nova relação amorosa em razão de suas situações financeiras.

O amor do futuro

Mas tem gente que acha que a situação é mais complexa. Para a psicanalista e escritora brasileira Regina Navarro Lins, uma estudiosa do amor e das formas de se relacionar, trata-se do fim de uma era, e este é começo da transição. Autora de “Novas Formas de Amar” (Editora Planeta, 272 páginas), ela acredita que este pode ser o processo de encerramento da ideia do amor romântico, cujos primeiros registros aparecem no século 12 (em canções populares principalmente como no “Tratado do Amor Cortês”, de André Capelão, que diz que o amor é vício incontrolável por outro ser) — porque até então só se podia amar a Deus, ela lembra. Até que passou a ser uma possibilidade real a partir do século 19 e pegou de vez dos anos 1940 em diante, com um empurrãozinho de Hollywood.

Agora, o que está por vir são modelos centrados na individualidade e no hedonismo. “O amor romântico prega que os dois amantes vão se completar, vão se transformar em um só, prega a fusão e uma exclusividade total e absoluta. Mas os anseios contemporâneos são outros. Todo mundo quer viajar para dentro de si mesmo, conhecer suas potencialidades”, afirma a psicanalista.

O amor romântico prega que os dois amantes vão se completar, se transformar em um só. Mas os anseios contemporâneos são outros

De acordo com a tese, o amor romântico dá sinais de sair de cena justamente pelo desbotamento de sua característica mais básica: a premissa da exclusividade. As novas formas de amar — que incluem acordos como relacionamentos abertos, trisais, poliamor, entre outros — começam a aparecer ainda como exceção, mas se tornarão cada vez mais comuns. “As pessoas querem ter novas experiências e ser cada vez mais livres. Elas podem demorar mais tempo para firmar compromisso porque essa é uma mudança profunda de mentalidade. O slow love é um caminho para a mudança, mas estamos ainda no meio da trajetória, que às vezes demora para acontecer”.

A psicanalista Maria Homem, coautora de “Coisa de menina? Uma Conversa sobre Gênero, Sexualidade, Maternidade e Feminismo” (Papirus, 128 págs), é mais ponderada nessa questão. Ela afirma que a monogamia está passando por um ajuste, de “uma ideia mítica de amor romântico, para uma pluralidade de acordos possíveis”. Para ela, há a tendência de uma busca mais livre da sexualidade, para além dos tradicionais pactos amorosos. “Só que ela é muito complexa, porque implica não só a coragem de você mesmo se investigar, mas a coragem de encarar de frente a descoberta do outro. Muitas vezes esses caminhos não confluem.”

No mundo de hoje, de acordo com suas ideias, cabe tudo: viver relações intensas e monogâmicas de modo seriado; viver um casamento com regras próprias e a possibilidade de ficar com outras pessoas; mudar de opinião e decidir ser solteiro; perseguir o amor concentrado em uma só pessoa, em pleno 2019. “Isso também é profundamente contemporâneo. Também é século 21. Hoje [a discussão] não é mais o tipo de pacto, mas a coexistência (mais ou menos tranquila) entre todos os tipos”, afirma a psicanalista. “O que é bom para você, pode não ser a mesma coisa para outra relação. Ou, o que é mais complicado — e que na prática é o grande problema — é que às vezes pode não funcionar nem para seu próprio parceiro.”