Bloco de notas da Semana "Conseguiu o que queria?" — Gama Revista
Conseguiu o que queria?

4

Bloco de notas

Bloco de notas

Já negociou hoje? Uma seleção Gama de livros, filmes e referências sobre o tema

05 de Julho de 2020
  • Imagem da listagem de bloco de notas
    ©Hamish Blair/Getty Image

    Quando o assunto é negociação, NELSON MANDELA é um nome de peso. Em seu livro “Bargaining with the Devil, When to Negotiate, When to Fight” (Negociando com o Diabo, Quando Negociar, Quando Lutar”, em tradução livre), o autor Robert H. Mnookin dedica um capítulo ao líder, relembra algumas de suas virtudes – como paciência, pragmatismo e pensamento estratégico –, e afirma que muito do que Mandela conquistou na luta por direitos da população negra se deve a sua capacidade de saber quando negociar, e quando apelar para a resistência.

  • “Em latim, negociação quer dizer negar o ócio. E se passamos 80% da nossa vida negociando, então estamos sempre negando o ócio”

    A frase é do professor Yann Duzert que, ao lado da escritora Monica Simionato, produziu o livro “NEWGOCIAÇÃO: A NEUROCIÊNCIA DAS NEGOCIAÇÕES” (2017), no qual os autores propõem embates baseados na psicofisiologia – estudo das relações entre fenômenos psíquicos e fisiológicos.

  • Imagem da listagem de bloco de notas
    © Netflix/Divulgação

    Sergio Vieira de Mello (1948-2003) foi um dos mais importantes diplomatas do país, responsável pela resolução de diversos conflitos internacionais. Nomeado Alto Comissário de Direitos Humanos da ONU, teve sua vida narrada pelo documentário SERGIO, em 2009. E recentemente, sua trajetória ganhou nova interpretação, dessa vez ficcionalizada e protagonizada por Wagner Moura.

  • Imagem da listagem de bloco de notas
    ©Dan Peretz (The Parents Circle)

    Criado em 1995, a iniciativa de reconciliação THE PARENTS CIRCLE reúne famílias israelenses e palestinas que perderam pessoas para o conflito que é considerado a mais longa e difícil negociação diplomática da história contemporânea. Por meio do diálogo, a ideia é que os povos pratiquem a tolerância, conversem entre si, e consigam encontrar um pouco de paz.

  • É possível negociar com as crianças? Para a coach de família americana Catherine Pearlamn, hoje em dia PAIS E MÃES NEGOCIAM DEMAIS. Em conversa com a revista Crescer, ela acredita que negociar com os filhos não é o melhor caminho: “A maioria acha que, assim, todos saem ganhando. Quando, na realidade, só a criança vence. Elas aprendem a usar a negociação rapidamente em favor próprio.”

  • Imagem da listagem de bloco de notas
    ©Reprodução

    COMO SE NEGOCIA O VALOR DA ARTE? A pergunta ecoa, e em muitos leilões de obras importantes a negociação fez história. Como no caso do quadro considerado o mais valioso do mundo: “Salvador mundi”, de Leonardo da Vinci, foi leiloado em Nova York, em 2017, por 450 milhões de dólares.

  • Para quem não entende tanto do assunto, não faltam best-sellers que ensinam a prática. Para empresários enrolados até o pescoço, há SAÍDAS PRÁTICAS E RECOMENDAÇÕES BASEADAS EM FILOSOFIA. Já para quem quer começar um empreendimento, SABER NEGOCIAR É UM DOS PRIMEIROS PASSOS.

  • Imagem da listagem de bloco de notas

    Divergências podem ser uma pedra no caminho de quem quer negociar. Mas polarização nada tem a ver com conciliação. Por isso, a iniciativa DESPOLARIZE surgiu para promover o diálogo, fundamental para a construção de uma sociedade forte e resiliente à polarização e sectarismo. O projeto compartilha guias práticos e atividades para as pessoas conversarem e se entenderem – mesmo sem concordar.

  • A técnica Pomodoro, criada na década de 80 pelo então estudante Francesco Cirillo, pode ajudar A GERENCIAR (E A NEGOCIAR) O TEMPO COM VOCÊ MESMO. São 25 minutos ativos, intercalados por intervalos de descanso de cinco minutos. O método, além do boom na produtividade, traz um ensinamento que, mais do que nunca, se mostrou essencial: saber a hora de parar.

  • Imagem da listagem de bloco de notas
    Reprodução

    A morte aceita negociações? No cinema, esse embate sempre acontece. Na cena clássica de O SÉTIMO SELO (1959), de Ingmar Bergman, um cavaleiro se depara com a Morte e, na tentativa de negociar sua ida ao plano dos finados, propõe uma partida de xadrez.